TODOS OS SIGNOS EM UM DIA

14.março.2021

Nasci com o sol em escorpião. Dizem que somos intensos, vingativos, críticos, sombrios, obcecados, manipuladores, cruéis, possessivos. Vou logo avisando que meu ascendente também é escorpião, não sei se isso piora ou melhora a minha situação.

Dizem, também, que gostamos da noite. Confere. Gosto da noite, não pelo seu mistério e profundeza, mas por um glamour menor: simplesmente pela preguiça de dormir cedo. Me entrego, irresponsável e escorpianamente, aos filmes, livros e principalmente ao nada, só pelo prazer de estar acordada no silêncio que só a noite consegue me conceder.

Acontece que tem o dia seguinte. E o despertador toca às 6h29. Virginiana, levanto-me pontualmente às 6h30. Sigo o ritual diário, na mesma ordem de todas as manhãs. Tomo o Synthroid, visto os chinelos, coloco a mesma porção de pasta de dente exatamente no centro da escova, leio o jornal de trás para frente e o dobro deixando-o como se não tivesse sido tocado. No café da manhã, uma faca para a manteiga e outra para o queijo, não admito nenhuma migalha de pão na toalha da mesa. Concluo o desjejum tomando minhas vitaminas de A a Z, nesta ordem.

Antes de começar o dia, mesmo forçando a minha vontade, vou à musculação e às compras para logo me livrar. É quando o meu capricórnio age, disciplinado como ele só. Na academia sou de poucas palavras, coloco o fone de ouvido e mergulho na minha playlist, o que me poupa de conversas inúteis. Cumpro e compro - os exercícios e a lista do supermercado - com precisão e economia. Nenhum suor a menos, nenhum centavo a mais.

A eu leonina me ordena voltar imediatamente para casa antes que alguém me veja descabelada na rua. Depois do banho, cuido dos cabelos, hidrato a pele, disfarço as olheiras com maquiagem, checo os likes da última postagem e, nos dias favoráveis, mando selfies para as amigas. Enquanto me olho no espelho, penso "ainda bem que não sou vaidosa como são minhas amigas fúteis", para em seguida enlouquecer quando encontro uma nova ruga no rosto.

Entro no closet geminiana. Fico na dúvida se será um dia quente ou frio. Talvez meia estação. Não sei se vou de saia azul ou vestido verde. Escolho o macacão branco. Visto o macacão, só que o preto. Mas mudo de ideia: hoje é dia da camisa rosa, definitivamente! Ou não?

Me assusto com a taurina que interrompe esse falatório sem fim, que chega para me lembrar , sem melindres, que o relógio não espera. Ela insiste, teimosamente, para escolher qualquer roupa e usar a objetividade que a vida exige. Faço uma análise lógica e pego uma roupa funcional, sem olhar para trás, pois sei que nada nesse mundo me fará mudar de ideia.

No caminho para o trabalho, como boa canceriana, ligo para os meus pais, meu irmão e outros membros da família para desejar-lhes um excelente dia. Me despeço com um até já, com a intenção de ligar novamente mais tarde, para desejar uma excelente noite. Isto é, se o meu bom humor se mantiver até lá, entre as mil oscilações que ele sofrerá durante o dia.

No escritório sou aquariana. Toco os meus projetos com uma independência irritante, sempre em busca de soluções inovadoras e abordagens não convencionais. Me desentendo com colegas que pensam pequeno e têm preguiça de usar a criatividade. Estabeleço minha própria carga horária e estou zero preocupada se olham torto para mim quando eu pego minha bolsa e saio. O importante é que eu me garanto e não deixo nenhuma pendência.

Almoço com as amigas. Todas piscianas, assim como eu. É só olhar uma para a cara da outra e já sentimos quem está bem e quem não. Rimos e choramos juntas. Abrimos nossos corações, sofremos uma pela outra, fazemos emocionados pactos de amizade e trocamos conselhos. Despedimo-nos, já saudosas, sofrendo só de pensar que o próximo encontro será na semana seguinte.

Dramas à parte, hora de encarar a realidade. Se eu não fosse ariana, me perderia entre as várias obrigações que o fim de tarde ainda me exige. Busco os filhos da escola; com uma mão dou o lanchinho preferido e com a outra exijo o boletim, sem mimimi. Distribuo-os para suas respectivas atividades e tenho tempo ainda para checar meu extrato, brigar com o gerente, decidir o jantar e ligar para o escritório para fazer as últimas deliberações, sem paciência para muitas perguntas.

Chega a noite, e com ela chego eu sagitariana. Reservo uma hora para me divertir com séries leves, para depois mergulhar na leitura dos meus quatro livros inacabados de cabeceira, de romances fáceis a filosofia. Faço planos para a próxima viagem-aventura, pratico minha meditação, aguço minha intuição e parto para as minhas viagens-mentais.

Termino o dia em paz e equilibrada, com tudo o que uma libriana tem de direito. Converso com a família pacificamente, analiso com equidade as demandas levantadas e apaziguo as desavenças, determinando, no fim, os limites de cada um.

De madrugada, sonho todos os sonhos que minha personalidade multifacetada me permite viver.

Como vê, não sou tudo o que se espera de uma escorpiana.


clique aqui para ler outros posts

inscreva-se no site


8 comentários