VOCÊ NASCEU DE UM VENCEDOR

21.março.2021



- Vamos, rápido, nadem!

- Nessa direção, seu tonto.

- Uhuuu, adoro parques aquáticos.

- Socorro! Não estou enxergando nada.

- Ânimo, são só 18 centímetros para chegar lá.

- Você fala só? Isso é correr uma maratona Rio-SP.

- Lá aonde? Alguém me explique o que está acontecendo!

- Odeio parques aquáticos. Vou desmaiar.

- Agora balancem suas caudas com toda força, precisamos vencer a barreira do útero.

- Cuidado, exército dos glóbulos brancos atacando.

- Que labirinto é esse?!

- Atenção, túnel estreito adiante.

- Está muito escuro. Onde vocês estão? (Eco: estão, estão, estão...)

- Sigam o fluxo e se orientem pela parede do útero.

- Preparem-se para a parte da subida. Avante! Rumo às trompas. Uhuuu!

- Não vou conseguir...

- Chegamos ao desafio final, só falta nadar contra a corrente para chegar ao óvulo.

- Quantos de nós sobraram?

- Dos 250 milhões, restaram 100, 90, 80 ... ah desisto.

- Alcançamos a trompa, parabéns, somos os 30 melhores.

- Nós, os sobreviventes, temos que fazer nossas deliberações.

- Por onde começamos?

- A primeira decisão: XX ou XY?

Torcidas de ‘macho’ e ‘ fêmea’ ecoam.

- Vamos à solução Salomônica: façamos dois, um menino e uma menina.

- Três! Duas meninas e um menino. Garotas precisam de companhia.

- Podem parar! Vocês estão muito excitadinhos. Não viram que o casal já tem uma filha, o pai está desempregado e a mãe mal tem tamanho para carregar um.

- Então manda logo um XY.

- Olhos?

- Dois.

- Perguntei a cor! Castanhos, azul, verde, mel, temos uma enorme cartela de cores e formatos.

- Castanho esverdeado, aquele que muda de cor nos dias mais claros.

- Ok, o DNA confere. Olhos castanhos esverdeados.

- Vamos de cabelo ruivo. Queremos um belo rapaz.

- Vejamos: pai e mãe, cabelos castanhos escuros. Como explicaríamos isso?

- Avós, bisavós, vamos procurar algum ruivo na família.

- Nenhum pigmento vermelho ou laranja nos antepassados.

- Não importa, chegamos até aqui e temos esse direito. Cabelos ruivos e está decidido.

- Alergia?

- Que tal a lactose?

- Que falta de criatividade! Nosso garoto tem que ser único, exclusivo.

- Alergia a ervilha.

- Esporte?

- Natação. Nada mais justo depois de nós nadarmos tanto por ele.

- Sugiro que ele tenha pés chatos.

- Qual é a utilidade disso?

- Nenhuma. Mas que seja esse o problema dele e, também, para que se preocupe onde estará pisando.

- Nariz angular, queixo idem.

- Careca aos sessenta ou setenta?

- Ora, ele nem nasceu ainda e você já está querendo definir em que idade ele perderá os maravilhosos fios ruivos. Não seja tão controlador.

- Tudo tem que ser definido agora. Esse é o nosso papel. Talvez até lá a tecnologia mude e ele nunca fique careca.

- Canhoto ou destro?

- Tanto faz, bota aí qualquer coisa!

- Tá okay, canho....

- Espere! Não aperte a tecla enter! É muito desconfortável ser canhoto, a letra fica horrorosa, tem que adaptar caderno, tesoura. Ele já vai ter a alergia e o pé chato. Vamos liberá-lo dessa.

- Agora falta definir alguns detalhes. Praia ou campo, exatas ou humanas, doce ou salgado, jazz ou funk, tímido ou extrovertido, diurno ou noturno...

- Podem escolher o que quiserem, só me garantam que tenha senso de humor, criatividade, integridade e um coração generoso.

- Algumas pintas espalhadas no corpo. E acho que estamos prontos.

- Humanamente imperfeito. Perfeito!

- Vai com tudo irmão, mergulha com tudo nesse óvulo e faça-nos celebrar a glória da fecundação. Vai com amor e bons pensamentos. Nunca se esqueça da força e garra que usamos para chegar até aqui, honre a nossa luta e não desperdice nenhum minuto da vida.

Cada um de nós é resultado de infinitas possibilidades.

E tem gente que não acredita em milagres.


clique aqui para ler outros posts

inscreva-se no site


5 comentários